Este evento já ocorreu.
As inscrições estão fechadas.

Carlos Fiolhais + Gonçalo Waddington

Gonçalo Waddington (Lisboa, 1977) é actor, encenador, argumentista e dramaturgo. Fez o cursou de teatro/ interpretação na Escola Profissional de Teatro de Cascais (1994-1997). Interpretou peças de Oscar Wilde, Luiz Francisco Rebello, David Mamet, Joe Orton, Samuel Beckett, entre outros. Foi dirigido pelos encenadores Carlos Avilez, no Teatro Experimental de Cascais; Fernando Heitor, no Teatro São Luiz; Maria Emília Correia, no Teatro Villaret e no Teatro Nacional D. Maria II; João Lagarto e Almeno Gonçalves, no Teatroesfera; Miguel Seabra, no Teatro Meridional; Jorge Silva Melo, nos Artistas Unidos; entre outros. Em cinema trabalhou com os realizadores Miguel Gomes (“As Mil e Uma Noites”), João Leitão (“Capitão Falcão”), Tiago Guedes e Frederico Serra (“Coisa Ruim” e “Entre Os Dedos”), Marco Martins (“Alice”), João Canijo (“Mal Nascida”) e Margarida Cardoso (“Yvone Kane”). Em televisão participou em séries como “Polícias” (RTP1, 1996), “A Raia dos Medos” (RTP1, 1999), “Alves dos Reis” (RTP1, 2000), “Fúria de Viver” (SIC, 2001), “Os Contemporâneos” (RTP1, 2008), “Último a Sair” (RTP1, 2011) ou “Odisseia” (RTP1, 2012). Produziu, escreveu e realizou as curta-metragens “Imaculado” (estreada no Festival IndieLisboa 2013) e “Nenhum Nome” (co-escrita com Marco Martins, estreada no Festival IndieLisboa 2010). “Nenhum Nome” teve uma menção honrosa Prémio SIGNIS Árvore da Vida no festival Indie Lisboa. Escreveu e encenou a peça “Albertine, O Continente Celeste”, uma co-produção do São Luiz Teatro Municipal e TNSJ/TeCA. A transposição para livro desse texto foi publicada pela Abysmo e é a obra de estreia do autor.

 

Carlos Fiolhais nasceu em Lisboa, em 1956. É físico, professor universitário e ensaísta. Licenciou-se em Física na Universidade de Coimbra e doutorou-se em Física Teórica na Universidade Goethe, em Frankfurt, em 1982. É Professor Catedrático de Física na Universidade de Coimbra. Foi professor convidado em universidades de Portugal, Brasil e Estados Unidos. Publicou cerca de 42 livros, incluindo “Física Divertida” (Gradiva), “A Coisa Mais Preciosa que Temos” (Gradiva), “Breve História da Ciência em Portugal” (Imprensa da Universidade de Coimbra), “Ciência a Brincar” (Bizâncio) ou “História da Ciência em Portugal” (Arranha Céus). É autor de mais de 120 artigos científicos em revistas nacionais e internacionais. Venceu, em 1994, o Prémio União Latina/ JNICT de tradução científica. Em 2005, ganhou o Globo de Ouro de Mérito e Excelência em Ciência (SIC/ Caras). Recebeu o Prémio Inovação do Forum III Milénio e o Prémio Rómulo de Carvalho da Universidade de Évora, em 2006. Foi-lhe atribuída a Ordem do Infante D. Henrique em 2005. Fundou o Centro de Física Computacional e o Centro Ciência Viva Rómulo de Carvalho.

link

link

link

Gravado com Sucesso.